Percurso Pedestre

Mosteiro-Pegadinha-Mosteiro

Mosteiro-Pegadinha-Mosteiro

  • Tipo: Rota de circuito fechado
  • Âmbito: Histórico-Cultural
  • Distância: [8650 metros]
  • Duração mínima: [3h 30m]
  • Duração aconselhada: [4h 30m]
  • Grau de dificuldade: Fácil/moderado
  • Cota mínima: 70 metros
  • Cota máxima: 403 metros

Acessos

O ponto de partida é junto à Igreja de Bravães, a 3,5 Km de Ponte da Barca, face à margem direita da N203, sentido Ponte da Barca, face à margem direita da N203, sentido Ponte da Barca/Ponte de Lima.

O ponto de partida é junto à Igreja de Bravães, a 3,5 Km de Ponte da Barca, face à margem direita da N203, sentido Ponte da Barca, face à margem direita da N203, sentido Ponte da Barca/Ponte de Lima.

Quando saímos da igreja românica temos pela frente momentos de paisagem, de história, de tradição. Variando entre uma altitude de 70 metros e 403 metros, o trilho visita o interior da freguesia com os seus cruzeiros, os moinhos atravessados pela água da poça da Aldeia, o maior reservatório de água de regadio da freguesia. Depois é a calçada (medieval) (ou caminho do cursial), e a chegada a Bruzende. Descobrimos a lápide de homenagem a Tomaz de Figueiredo, o escritor que amou esta terra e a cantou pelas personagens que habitam a “Toca do Lobo”, “Tiros de Espingarda”, “Má Estrela” e outros. É o recriar da nossa gente, gente viva, gente da terra e que como nós calcorreou estes caminhos e se deliciou nesta paisagem. Vezes sem conta subiram à Pegadinha, colheram na “concha” da mão a mesma água com que agora, ao longo do percurso nos vamos dessedentando

Chegados à capela somos forçados a espreitar para além da Miranda as terras de Coura, e a esperança a prolongar-se até Santiago de Compostela. “Quem ao Santo Não vai de vivo, lá irá de morto”.

O Mosteiro de Bravães (Séc. XII) aberto à curiosidade cultural dos visitantes, na objetiva de recordação ou de documento necessário, é fundamental ao dinamismo cultural que envolve a paróquia, às potencialidades do centro Cívico (onde existe uma exposição permanente referente à história do próprio mosteiro).

A partir dele se vive a Dolorosa Paixão, “o Ementar às almas” (ou como noutras terras se denomina o encomendar as almas), a cultura do linho, as desfolhadas, o trilho pedonal (percurso pedestre) que liga a Igreja Românica à Senhora da Pegadinha e se obtém um equilíbrio espacial no acesso à cultura, ao desenvolvimento regional (fator de atração turística e “produto” cultural emblemático).

Organização de:

Junta de Freguesia de Bravães

Associação Cultural e recreativa “Os Canários” de Bravães

Nota sobre o percurso:

  1.  Igreja Românica de Bravães (local de partida) com as marcações internacionais convencionadas no muro do adro da Igreja.
  2. Chegada aos moinhos depois das sombras refrescantes e do sussurrar do ribeiro. (Hipótese de percurso B)
  3. Lápide a Tomaz de Figueiredo, o escritor que amou esta terra.
  4. Poça de Porto-Mulheres (Hipótese de percurso C)
  5. Capela da Senhora da Pegadinha
  6. Pinheiro Manso e ligação a Ermeiro (Chegada também para a alternativa do percurso C)
  7. Poça da Foz (Chegada também para a alternativa do percurso B)
  8. Chegada à Igreja Românica e fim do Percurso.

Horário de Atendimento

Quarta-feira: 19h às 20h | Domingo: 09h às 10h

Pin It on Pinterest